VITAMINA D

SOL E VITAMINA D na prevenção de doenças crônicas


Qualidade de vida, bem estar, vitalidade e saúde com Spa, água mineral sem cloro, ar puro e sol 12 meses por ano

***

 

Sol e Vitamina D na prevenção de doenças crônicas :
http://drauziovarella.com.br/wiki-saude/vitamina-d-na-prevencao-de-doencas-cronicas/

Esse menino precisa apanhar sol, recomendava minha avó diante da criança pálida.
Na época, a exposição ao sol nas montanhas era o único tratamento para a tuberculose.

Em 1822, um médico polonês observou que o raquitismo era mais comum nas crianças que haviam migrado para as cidades.
Dois anos depois, os alemães sugeriram que a doença fosse tratada com o insuportável óleo de fígado de bacalhau.

No fim do século 20, os dermatologistas concluíram que a exposição ao sol deveria ser evitada por causa do câncer de pele. Entramos na era dos filtros protetores, sem os quais alguns não põem o pé fora de casa.

O conselho dado por minha avó encontra-se hoje nas páginas das revistas médicas mais influentes: sem sol, a pele não produz vitamina D.
Sem ela, surgem enfermidades que vão do raquitismo à osteoporose; do câncer às infecções, ao diabetes e às complicações cardiovasculares.

Seres humanos conseguem obter vitamina D a partir da exposição à luz solar, da dieta e de suplementos vitamínicos.
Ao incidir sobre a pele, a banda B da radiação ultravioleta converte um precursor em pré-vitamina D, que é rapidamente transformada em vitamina D.
Como qualquer excesso da pré-vitamina é destruído pela luz, o excesso de sol não leva à hipervitaminose.

As fontes alimentares são pobres.
A maior concentração é no óleo de fígado de bacalhau: 1.360 unidades em cada colher de sopa.
Em quantidades menores, a vitamina pode ser obtida pela ingestão de peixes oleosos ( salmão, atum, sardinha ), cogumelos, gema de ovo, sucos e cereais enriquecidos artificialmente.

As descobertas de que a maioria das células do organismo possui receptores para vitamina D
( e de que muitas são dotadas de enzimas capazes de convertê-la em sua forma ativa ) permitiram elucidar seu papel na prevenção de doenças crônicas.

Vivemos em plena epidemia de hipovitaminose D, deficiência que atinge 1 bilhão de pessoas, especialmente nos países com dias frios e escuros durante meses consecutivos.
Inquéritos epidemiológicos demonstram que, nos EUA, acham-se nessa condição de 40% a 100% das pessoas com mais de 70 anos; 52% das crianças negras e 32% dos médicos de um hospital de Boston.

Habitantes das regiões equatoriais expostos ao sol com roupas leves, ao contrário, apresentam altos níveis da vitamina.
Mas nos países árabes, na Austrália e na Índia, em que a população vive com o corpo coberto apesar do calor, de 30% a 50% dos adultos são deficientes.

Osteoporose e fraturas ósseas, fatos dramáticos na vida dos mais velhos, guardam relação íntima com a hipovitaminose D.
Assim como os ossos, os músculos possuem receptores para vitamina D, da qual requerem quantidades mínimas para adquirir potência máxima.

Células de cérebro, fígado, próstata, mama, cólon e sistema imunológico também apresentam tais receptores e se ressentem da falta dela.

Direta ou indiretamente, a vitamina D controla mais de 200 genes, responsáveis pela integridade da resposta imunológica.
A deficiência desse micronutriente aumenta o risco de tuberculose.
Os negros, cuja pele tem mais dificuldade para sintetizá-lo, são mais suscetíveis à doença e a contraí-la em suas formas mais graves.

Viver em latitudes mais altas aumenta a probabilidade de câncer de cólon, próstata, ovário e outros.
Um estudo conduzido entre 32 mil mulheres mostrou que, quanto mais baixos os níveis de vitamina D, mais alto o risco de câncer de intestino.
Outro estudo demonstrou que o câncer de próstata surge três a cinco anos mais tarde em homens que trabalham ao ar livre.

Nessas regiões, são maiores os riscos de se manifestar o diabetes do tipo 1, doenças inflamatórias do intestino, esclerose múltipla, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, esquizofrenia e depressão.

 

Exposição moderada ao sol pode prevenir doenças crônicas, diz médico americano
http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/08/31/exposicao-moderada-ao-sol-pode-prevenir-doencas-cronicas-diz-medico-americano.htm

Você cansou de ouvir que tomar sol sem usar protetor é algo que está fora de cogitação, ainda mais num país em que o câncer de pele é o mais prevalente na população.
Mas para o médico americano Michael Holick, professor da Universidade de Boston, alguns minutos sob o sol sem proteção pode prevenir males crônicos como diabetes tipo 1, doenças cardíacas, esclerose múltipla, obesidade e alzheimer, entre outros.

Holick veio ao Brasil participar do 17º Congresso Paulista de Obstetrícia e Ginecologia, em São Paulo e acaba de lançar, aqui, o livro “Vitamina D – Como um tratamento tão simples pode reverter doenças tão importantes”
(Ed. Fundamento).

“Estudos mostram que o protetor solar é capaz de reduzir em 98% a síntese de vitamina D”,
alega o médico.
O sol é a principal fonte do nutriente
( para se ter uma ideia, 100 g de salmão fresco fornece de 600 a 1.000 unidades de vitamina D;
já 5 a 10 minutos de exposição aos raios solares fornecem 3.000 unidades ).
E o horário que garante a síntese adequada é justamente o que mais expõe as pessoas ao câncer:
das 11h às 15h.
...
Questionado sobre possíveis críticas de dermatologistas, Holick responde que, nos EUA, a recomendação da classe médica ainda é a de evitar qualquer quantidade de sol nos horários de pico sem a devida proteção.
“Já na Austrália, por exemplo, médicos mais jovens hoje já consideram que essa recomendação é radical demais”, argumenta.

Deficiência

Você pode achar que a preocupação com a vitamina D não faz sentido no Brasil, um país ensolarado, mas não é bem assim.
Uma pesquisa realizada em 2010 e publicada no periódico Clinical Nutrition mostrou que, em São Paulo, quase 78% da população de 18 a 90 anos apresenta deficiência de vitamina D ao final do inverno.
Depois do verão, o índice cai para 37%, mas ainda é considerado alto.

O professor conta ainda que, na Austrália, país com maior incidência de câncer de pele no mundo,
40% das pessoas têm deficiência de vitamina D.
“Antigamente as pessoas passavam mais tempo ao ar livre, principalmente as crianças”,
alertando para o fato de que hoje o confinamento é muito maior.

Mais conhecido por auxiliar o organismo na absorção do cálcio, evitando problemas como raquitismo
(em crianças) e osteoporose (em adultos), o nutriente hoje tem sido associado a uma série de outros benefícios, como a prevenção ao diabetes tipo 1, à esclerose múltipla e ao Alzheimer, entre outros.

Holick relata que a vitamina melhora o fluxo sanguíneo, por isso diminui o risco de doenças cardíacas e hipertensão, tem papel importante no sistema imunológico e também ajuda na liberação de serotonina, diminuindo sintomas de depressão, fibromialgia e fadiga crônica.
Só para citar algumas vantagens.
...

Formas de prevenir a deficiência da vitamina D
http://saude-info.info/formas-de-prevenir-a-deficiencia-da-vitamina-d.html

“Mais de 42 por cento dos americanos sofrem de deficiência de vitamina D, e 47 por cento das mulheres grávidas são severamente deficiente nesta vitamina importante.
Seus filhos tendem a ter ossos fracos que se quebram facilmente, mesmo durante seus anos de infância.
Muitas doenças crônicas são devido à deficiência de vitamina D, incluindo a osteoporose, câncer e depressão.
Você não pode parar uma deficiência de vitamina D por tomar suplementos.
A luz solar é o único remédio real.
Para fazer quantidades suficientes de vitamina D, pessoas de pele escura precisa gastar pelo menos duas a três vezes mais tempo no sol do que os caucasianos.

“~ Andreas Moritz, O Milagre Fígado e da Vesícula Biliar Cleanse:
An All-Natural, em Casa-Lave para purificar e rejuvenescer o corpo.

Eu acho que a citação referida é mais que suficiente para lhe informar a respeito de porque é a vitamina D é tão importante para o nosso corpo, e por que é importante para nós a pagar a atenção para a prevenção da deficiência de vitamina D.
A deficiência desta vitamina do sol pode causar problemas de saúde graves ou fatais.
De fato, estudos mostram também que a vitamina D também pode ajudar na prevenção de doenças crônicas como diabetes e problemas cardíacos …, isto significa que se você está sofrendo de deficiência de vitamina D, é provável que você tem maiores chances de desenvolver essas condições.
Pelo contrário, se você trabalha no sentido de aumentar a produção de vitamina D no organismo e prevenir a sua deficiência, há grandes chances de você ter um estado saudável física e mental.

Como prevenir a deficiência da vitamina D

O tipo de citação mencionada resume a essência deste artigo, em termos de o que você precisa fazer para evitar o bloqueio da produção de vitamina do sol em seu corpo.
Os pontos a seguir explicam estes pontos em detalhes.

O ‘Sunshine’ Exposição
Agora ele foi dito para nós desde que nos têm sido os nossos sentidos que a exposição da pele ao sol é sempre ruim.
Sim, o sol contém os raios ultravioleta que podem danificar a pele, mas também consiste em raios UVB, que podem impulsionar a produção dessa vitamina no organismo.
Os especialistas sugerem que se deve mergulhar o sol por pelo menos 10-15 minutos,
3-4 vezes por semana, quando os raios UVB são os mais elevados, o que é geralmente entre 10:30 às 02:00.
No entanto, você terá que verificar com o seu índice UV local, através do departamento de tempo ou canal de tempo local para o mesmo, como os horários podem variar, dependendo da sua localização geográfica.

Não comece ‘Addicted’ para protetores solares!
Você sabe que você precisa ir sob o Sol e expor sua pele ao seus raios.
Qual é a primeira coisa que você acha de levar quando você planeja tomar um banho de sol?
Deixe-me adivinhar …, um protetor solar?
Isso é algo que você não deve aplica a todos sobre você se você quiser que o seu organismo a produzir uma quantidade adequada de vitamina D.
Fontes estado que o uso de protetores solares podem bloquear a produção de vitamina D até 95%, o que é muito se você quiser para se impedir que a deficiência de vitamina D.

Coma alimentos e suplementos para a vitamina D
Bem, apesar de o Sol é a fonte natural de aumentar a produção de vitamina D no organismo, também é subjetiva, dependendo do tempo e das condições climáticas.
Quero dizer como é que vai absorver o Sol durante invernos?
Neste caso, os suplementos de vitamina D e fontes alimentares provaria ser benéfico.
Alimentos ricos em vitamina D incluem ovos, óleo de fígado de bacalhau, iogurtes, margarinas, atum e peixe-gato.
Embora, nada pode bater a eficácia do Sol em produção de vitamina D.

Monitore seus níveis de vitamina D Regularmente
A deficiência de vitamina D pode ser facilmente controlado com a ajuda de um teste de sangue conhecido como 25 hidroxivitamina D (25 (OH) D).
O normal 25 (OH) D concentração deve ser superior a 75 nmol / L ou 30 ng / mL.
Para as pessoas que têm a 25 (OH) D concentração dentro 50-75 nmol / L ou 20-30 ng / mL, eles são conhecidos por terem insuficiente vitamina D no corpo.
No entanto, a deficiência de vitamina D é quando a 25 (OH) D concentração é inferior a 50 nmol / L ou menos de 20 ng / mL.

Demasiada de qualquer coisa também é mau …, você deve ter ouvido falar esta palavra, e isso fica evidente no caso da vitamina D também!
A vitamina D sobredosagem pode causar toxicidade no corpo, que pode causar fadiga, desidratação, vómitos, nervosismo fraqueza muscular, e irritação.
No entanto, o ponto a ser mantido em mente que a vitamina D é uma sobredosagem não ocorre a partir de exposição à luz solar ou a ingestão de alimentos ricos em vitamina D.
Ao contrário, o consumo de suplementos de vitamina D pode causar toxicidade.
É por isso que os especialistas enfatizam novo e de novo no fato de que o melhor e mais confiável fonte de vitamina D é nada mais do que o Sol!


Daily sun and vitamin D :

O Texto em baixo fala sobre a importância de vitamina D obtida através do sol.
Infelizmente este texto esta em Inglês. Brevemente a gente traduz.

Vitamin D: importance in the prevention of cancers, type 1 diabetes, heart disease, and osteoporosis
© 2004 American Society for Clinical Nutrition
... the role of vitamin D deficiency in increasing the risk of many common and serious diseases, including some common cancers, type 1 diabetes, cardiovascular disease, and osteoporosis.
Numerous epidemiologic studies suggest that exposure to sunlight, which enhances the production of vitamin D3 in the skin, is important in preventing many chronic diseases.
Because very few foods naturally contain vitamin D, sunlight supplies most of our vitamin D requirement.
25-Hydroxyvitamin D [25(OH)D] is the metabolite that should be measured in the blood to determine vitamin D status.
Vitamin D deficiency is prevalent in infants who are solely breastfed and who do not receive vitamin D supplementation and in adults of all ages who have increased skin pigmentation or who always wear sun protection or limit their outdoor activities.
Vitamin D deficiency is often misdiagnosed as fibromyalgia.
Studies in both human and animal models add strength to the hypothesis that the unrecognized epidemic of vitamin D deficiency worldwide is a contributing factor of many chronic debilitating diseases.
Greater awareness of the insidious consequences of vitamin D deficiency is needed.
Annual measurement of serum 25(OH)D is a reasonable approach to monitoring for vitamin D deficiency.
The recommended adequate intakes for vitamin D are inadequate.
...

É muito importante conhecer as possíveis consequências de escassez de vitamina D e a extrema importância de suficiente sol.

É muito importante saber que a pele e o corpo precisa se adaptar quando alguém de repente leva mais sol.
Todos nos precisamos de uma periode de adaptação.
Uma vez adaptado ( diminui o risco de se queimar seriamente ) ao sol o banho de sol tem muitos importantes vantagens para a saúde.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
casa de praia com piscina pelo whattsapp

localização paraisodobrasil :

https://goo.gl/maps/qX7vpgu7hJw